Planalto tenta conter pressão por impeachment via Comunicação

Queda de popularidade, protestos neste final de semana e sucessão na Câmara acenderam sinal de alerta.


Crédito: Redes sociais

Será na comunicação que o Palácio do Planalto focará a ofensiva para reagir à pressão pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Na última sexta-feira (22), pesquisas indicaram queda da popularidade em virtude das suas ações no enfrentamento da pandemia.


No ultimo sábado (23), carreatas em diversas capitais pediram a abertura de processo contra o ocupante da prinicpal cadeira do Planalto.Segundo o Terra, aliados do governo avaliam que o presidente paga o preço de suas idas e vindas sobre a vacinação e que é preciso mostrar todas as medidas tomadas para o combate à pandemia. Bolsonaro tenta se desvencilhar do colapso da saúde no Amazonas e voltou a dar entrevistas.


Ainda na última sexta-feira, 22, escalou três ministros – Eduardo Pazuello (Saúde), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Fábio Faria (Comunicações) – para receber o lote de vacinas da AstraZeneca/Universidade de Oxford.


A nova campanha publicitária do governo para TV, rádio, meios digitais e impressos destoa da versão anterior, em que a vacina era sugerida para quem quisesse “exercer o direito” de vacinar se tivesse “indicação”. Sob o mote “Brasil Imunizado – Somos uma só Nação”, o comercial exibe pessoas com máscaras de proteção e não fala em vacina facultativa. Diz apenas que a vacinação é uma questão “humana e econômica”.


Após organizarem panelaços, movimentos de esquerda e de direita, além de representantes da sociedade civil, realizaram neste sábado (23) e convocaram para este domingo (24) atos em ao menos 19 capitais, e no Distrito Federal, para pedir o impeachment de Bolsonaro. Na terça-feira (26), partidos de oposição, como PT, PDT, PSB, Rede e PCdoB também vão protocolar uma nova ação que pede a saída de Bolsonaro.


Para o prosseguimento de um processo de impeachment, o presidente da Câmara tem que atestar a admissibilidade da postulação. Em fim de mandato na Mesa Diretora, Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirma que a tarefa ficou para seu sucessor e não deve se posicionar sobre os 61 pedidos apresentados. Entre os candidatos à eleição do novo presidente do Legislativo, Arthur Lira (PP-AL) é apoiado por Bolsonaro, mas Baleia Rossi (MDB-SP) é apoiado por Maia, mas pode seguir por um rumo diferente quanto ao impeachment.


Fonte: Terra

0 comentário