Governadores se unem e cobram providências contra fake news

"Estados e todos os agentes públicos precisam de paz para prosseguir com o seu trabalho, salvando vidas e empregos", diz um trecho da carta


O governador Rui Costa (PT) e outros 15 chefes de estado divulgaram uma carta, nesta segunda-feira, cobrando providência contra as fake news, que segundo eles “visam a criar instabilidade institucional nos Estados e no País”.


O comunicado vem um dia após a enxurrada de notícias falsas e uso político da morte do policial militar Wesley Soares Goés, morto no domingo (28), no Farol da Barra, em Salvador, após um “surto”. Após a morte de Wesley, deputados que apoiam o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), tentaram associar o óbito do PM às decisões de Rui Costa.


Os governadores ainda convocam o presidente da República e os presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF) “para que adotem todas as providências de modo a coibir tais atos ilegais e imorais”.


Além de Rui Costa, assinam a carta os governadores Flávio Dino (Maranhão), Helder Barbalho (Pará), Paulo Câmara (Pernambuco), João Doria (São Paulo), Ronaldo Caiado (Goiás), Mauro Mendes (Mato Grosso), Eduardo Leite (Rio Grande do Sul), Camilo Santana (Ceará), João Azevêdo (Paraíba), Renato Casagrande (Espírito Santo), Wellington Dias (Piauí), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte), Belivaldo Chagas (Sergipe), Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul) e Waldez Góes (Amapá).


Veja a carta na íntegra:

CARTA DOS GOVERNADORES: QUEREMOS VERDADE E PAZ!

Os governadores manifestam sua indignação em face da crescente onda de agressões e difusão de Fake News que visam a criar instabilidade institucional nos Estados e no País. Vivemos um período de emergência na saúde, e a vida de todos os brasileiros está em grave risco.


Os governadores, juntamente com os servidores públicos e profissionais do setor privado, estão lutando muito para garantir atendimento de saúde e apoio social à população. Enquanto isso, alguns agentes políticos espalham mentiras sobre dinheiro jamais repassado aos estados, fomentam tentativas de cassação de mandatos, tentam manipular policiais contra a ordem democrática, entre outros atos absurdos.


Registramos especialmente o nosso protesto quando são autoridades federais, inclusive do Congresso Nacional, que violam os princípios da lealdade federativa.


Conclamamos o Presidente da República, os Presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, bem como o Presidente do Supremo Tribunal Federal, para que adotem todas as providências de modo a coibir tais atos ilegais e imorais.


Os Estados e todos os agentes públicos precisam de paz para prosseguir com o seu trabalho, salvando vidas e empregos. Estimular motins policiais, divulgar Fake News, agredir Governadores e adversários políticos, são procedimentos repugnantes, que não podem prosperar em um país livre e democrático.


Finalmente, sublinhamos a nossa gratidão a todos os servidores públicos e profissionais que têm atuado incessantemente para vencermos a pandemia. Merecem especial destaque as forças policiais, que têm a nossa solidariedade e apoio em relação a reivindicações justas quanto à vacinação, pleito em análise no âmbito do Ministério da Saúde pela Comissão Intergestores Tripartite – CIT.


Brasília, 29 de março de 2021.


Fonte: Bahia ba

0 comentário