Com apoio da Emater, avicultor sertanejo tem crescimento de 62,5% na renda anual

Para 2021, a expectativa é superar o valor bruto do ano anterior


Por Assessoria / Emater Alagoas


O produtor Jocivânio Vieira dos Santos mora junto à esposa, Ana Paula, no Sítio Quiribas, em Senador Rui Palmeira, Sertão de Alagoas, às margens do Canal do Sertão. Ambos são avicultores de postura e possuem uma horta irrigada. Eles fazem parte dos produtores em vulnerabilidade social inseridos no Projeto Dom Helder Câmara (PDHC).


Antes, Jocivânio tinha 100 aves, depois da assistência do Instituto de Inovação para o Desenvolvimento Rural Sustentável de Alagoas (Emater), ele aumentou esse número para 350, um crescimento de 250%. A renda da família também aumentou de 2019 para 2020, de R$ 4 mil ao ano para R$ 6,5 mil ao ano, por meio da comercialização da produção agrícola por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) em feiras livres e na comunidade.


Na horta, o produtor cultiva hortaliças folhosas, como alface, cebolinha, coentro e couve. Além disso, também produz macaxeira. Por meio da avicultura, Jocivânio realiza a produção de ovos de galinha caipira e do próprio animal, quando há descarte.


Para 2021, a expectativa é superar o valor bruto do ano anterior. Esses são resultados parciais, uma vez que o projeto do produtor rural ainda está em andamento. Como estratégia de inclusão produtiva, a família recebeu a verba de R$ 2,4 mil do programa de Fomento às Atividades Rurais.


A prática aplicada pelo técnico da Emater, Antônio Pacífico, trata-se da integração da horta (restolhos de cultura) com a avicultura de postura (cama de galinha), para criar um ciclo entre as atividades com o intuito de produzir insumos entre elas. A técnica reduz o custo de manutenção de ambas.


“Tudo começou porque tinha vontade de iniciar um criatório de galinha poedeira, já que era mais tranquilo. Tinha a horta e, em 2017, iniciei a criação. Foi quando veio o PDCH, por meio da Emater, que me deu acompanhamento. Antigamente, tinha que pegar o esterco ou comprar de currais que não tinham qualidade para usar na horta. Hoje, as galinhas fornecem a cama, uso a compostagem para horta, que nos fornece alimentos para dentro de casa, para feira e o verde pra elas novamente”, relatou Jocivânio.


Hoje, os produtores estão inseridos em grupos regionais na associação local, no PAA, na rede agroecológica de Alagoas e no grupo SPG do núcleo Ecoforte Sertão. “Eles demonstram um grande empenho no processo cooperativo da extensão rural, se envolvem em atividades sugeridas e se empenham por conta própria para procurar novos métodos e capacitações”, contou o técnico Antônio.


10 anos da Emater

Criada em 2011, a Emater completa 10 anos no dia 1° de dezembro de 2021. E, ao longo das próximas semanas, serão divulgados os 10 casos que obtiveram os maiores êxitos durante este período, para dar visibilidade ao trabalho de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) realizado pelo Instituto.


A ação visa mostrar a importância destes serviços para o agricultor e para a economia no Estado, pois, quando o campo produz, Alagoas desenvolve.

0 comentário